Quando se fala em turismo na Bahia, é comum o nosso imaginário nos transportar para cenários de praias deslumbrantes e deliciosas experiências gastronômicas e culturais que combinam com dias quentes. 

No entanto, a Bahia é um estado extenso, que chega a ter um território maior do que alguns países, como a França. E essa dimensão se reflete também na diversidade de paisagens, climas e possibilidades para quem visita o estado. 

Hoje, um dos atrativos é a vitivinicultura. O enoturismo brasileiro vem crescendo, e os entusiastas de vinho descobriram também na Bahia o potencial para experiências incríveis envolvendo bebidas de qualidade.

Quer saber mais sobre como explorar esse potencial? Confira, neste artigo, alguns diferenciais do enoturismo na Bahia, locais para conhecer e os encantos reservados a quem visita a Chapada Diamantina

Além do sul do Brasil: o que há de diferente nas vinícolas do Nordeste

Embora o sul do Brasil seja uma área tradicionalmente conhecida para o enoturismo, outras regiões também têm prosperado e se transformado em alternativas cativantes para aqueles que desejam desfrutar dessa experiência. 

A diversidade de clima, terroirs, as características geográficas, culturais e históricas tornam outras áreas igualmente atrativas para os entusiastas de vinho. 

Ao explorar novos destinos, os viajantes que buscam um conhecimento mais aprofundado sobre vinhos têm a oportunidade de expandir seus horizontes e desmistificar a crença de que apenas em alguma região específica do país se produz vinhos finos e de qualidade. 

Características do Nordeste na vitivinicultura

A vitivinicultura no Nordeste brasileiro apresenta características distintas devido ao clima, que difere consideravelmente das regiões tradicionais. 

A atividade nessa região é marcada pela adaptação às condições climáticas tropicais e pelo cultivo de variedades de uvas adequadas a esse ambiente. Por isso, há regiões da Bahia que têm se destacado na produção de vinhos únicos que conquistam seu espaço no mercado.

Esses locais representam, hoje, um notável ponto de referência no cenário do enoturismo na Bahia. Além de suas deslumbrantes formações geológicas e da rica biodiversidade, a região abriga vinícolas que encantam os visitantes com seus vinhos.

 

Como o Nordeste entrou para a rota nacional do vinho?

A entrada do nordeste brasileiro na rota nacional do vinho é o resultado de uma série de fatores que foram determinantes ao longo das últimas décadas. 

Hoje, o enoturismo na Bahia é bem representado na rota nacional do vinho devido à combinação de condições climáticas únicas, investimentos em tecnologia e infraestrutura, adaptação às condições locais e uma estratégia de enoturismo bem-sucedida. 

Além disso, investimentos em enoturismo e produção de vinhos de alta gama têm atraído turistas e entusiastas de vinhos de qualidade no Brasil.  

Enoturismo na Bahia: quais regiões visitar?

A Bahia oferece algumas regiões interessantes para o enoturismo que podem entrar para um planejamento de viagem marcado por experiências únicas. Tradicionalmente, as regiões produtoras de vinho no estado são o Vale do São Francisco e a Chapada Diamantina.

Ambas podem incluir destinos incríveis e paisagens naturais exuberantes. Para saber qual é a ideal para seu perfil, é interessante pesquisar as vinícolas locais, os tipos de vinhos produzidos e as opções de tours.

Os encantos da Chapada Diamantina

A Chapada Diamantina tem mostrado um potencial crescente para atrair visitantes interessados na combinação entre a natureza e paisagens exuberantes e a produção de vinhos. Por isso, quem quer explorar o enoturismo no Brasil e está na região pode contar com os tours da Vinícola UVVA. 

A atividade enoturística na região vive uma crescente em seu desenvolvimento, impulsionado pela marca de vinhos brasileiros que aposta em inovação, excelência, gastronomia e cultura.

A visita oferece experiências únicas aos turistas, com passeios, experiências artísticas, culturais e gastronômicas e excelentes vinhos, claro.

Terroir da Vinícola UVVA para vinhos brasileiros

Vinícola na Chapada Diamantina: conheça a UVVA

Emoldurada por uma paisagem de tirar o fôlego, na cidade de Mucugê, a UVVA foi concebida para se tornar uma nova fronteira no cenário do enoturismo nacional. A vinícola abriu as portas ao público em março de 2022, mas dez anos antes já iniciava um trabalho audacioso, apostando em um território até então inexplorado pela vitivinicultura. 

A semente da inovação foi o plantio de uvas com o objetivo de produzir vinhos de alto padrão que carregam a identidade de um terroir único no mundo.

Terroir e microclima exclusivos

Entre as opções para explorar o enoturismo na Bahia, a UVVA se destaca pela produção de vinhos finos. Tudo isso começa pela escolha do terreno ideal e o cuidado dos especialistas com cada safra. 

No mundo da vinicultura, o conceito de terroir engloba as nuances geológicas e as particularidades do clima do lugar onde o vinho é produzido. É por isso que o terroir da Chapada Diamantina é único.

A UVVA está 1.150 metros acima do nível do mar. O clima tropical de altitude, típico de regiões serranas e planaltos, tem características muito peculiares quanto à umidade, à temperatura e aos índices pluviométricos. 

O traço mais relevante e que torna o lugar particularmente propício para a produção de vinhos é a amplitude térmica, em especial na fase em que as uvas estão amadurecendo nos vinhedos.

Além da altitude e da temperatura, o solo é uma peça fundamental para a formação do terroir. Na Chapada Diamantina, o tipo predominante é o franco-argilo-arenoso, cujas composição, textura e dinâmica de absorção de água contribuem para tornar o ambiente favorável ao desenvolvimento dos vinhedos. Além disso, os tons de amarelo-escuro são um espetáculo à parte e podem ser vistos de perto na nossa cave subterrânea.

Sistema de dupla poda

Para garantir uma colheita estratégica, nós utilizamos a técnica da dupla poda. Realizada duas vezes por ano, em janeiro e em setembro. Essa ação realinha o ciclo da videira de forma a permitir que a colheita seja no inverno, que é o período mais seco e com maior amplitude térmica do ano, proporcionando a maturação plena das uvas.

Isso resulta em uma sincronia entre os dois tipos de maturação – a técnica, ligada à formação dos açúcares, e a fenólica, que consiste no acúmulo de compostos aromáticos e de antocianinas e polimerização de taninos. Além disso, as uvas são colhidas à mão, para que os frutos cheguem cuidadosamente à área de produção.

A implementação do sistema de dupla poda é resultado da parceria com o “Embrapa Uva e Vinho”, programa da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Com quase 50 anos de trabalho dedicado ao desenvolvimento da vitivinicultura brasileira, o programa também representa uma valiosa contribuição para o projeto da UVVA.

Cuidados com a uva

A Vinícola UVVA adota um rigoroso processo de colheita das uvas para garantir a qualidade dos seus vinhos. Tudo começa pela colheita, que é realizada manualmente por colaboradores treinados para identificar uvas fora do padrão. 

Essas caixas de colheita têm capacidade para apenas 15 quilos, o que evita que as uvas sejam esmagadas com o próprio peso. No transporte, as esteiras utilizadas são de material emborrachado para evitar impactos nas bagas.

Já a desengaçadeira, equipamento fundamental para garantir a qualidade das uvas, possui um sistema de oscilação que permite o desprendimento das bagas de maneira suave, mantendo-as inteiras.

Todos esses cuidados são necessários para evitar garantir que, ao final, os vinhos que chegam aos clientes sejam de alta qualidade, refletindo todo o potencial do terroir da Chapada Diamantina.

Acompanhamento de enólogos em cada etapa

A UVVA é uma vinícola no Nordeste em que até mesmo a arquitetura foi pensada para extrair o melhor de cada safra, promovendo interferência mínima e utilizando processos gravitacionais sempre que benéfico. No prédio da vinícola, o segundo ambiente abriga nosso laboratório, a área de enologia e salas de curso e de degustação. 

Por lá, são feitos testes diários dos lotes com foco na extração de bebidas de alta gama.

 

Tours UVVA: como viver uma experiência exclusiva do enoturismo na Bahia

A UVVA oferece tours personalizados para que cada visita possa se transformar em uma experiência diferenciada e seja de momentos marcantes. Quem quer mergulhar nesse universo do enoturismo na Bahia e ir além de um passeio convencional tem três opções para escolher, sempre com o acompanhamento de especialistas.

Confira detalhes sobre os tours da UVVA para desbravar o enoturismo nacional.

Visitação UVVA

Quem passar pela região de Mucugê em uma estadia curta pode contar com a Visitação UVVA. Essa é uma atração ideal para quem deseja fazer um passeio breve, mas pleno de  atrativos. 

Ela permite o acesso ao pavimento turístico do prédio da vinícola com sua vista espetacular e degustação de rótulos premiados em nosso wine bar, mediante aquisição para consumo. Além disso, inclui visita à loja para a aquisição de vinhos – incluindo microlotes e tiragens limitadas, que somente são comercializados na vinícola.

Entusiasta Sincorá

O tour Entusiasta Sincorá é a opção perfeita para quem está com a agenda enxuta. Ao longo de uma hora, é possível fazer uma visita panorâmica aos vinhedos e saber um pouco sobre as técnicas de manejo, além de conhecer a cave onde os vinhos estagiam. 

Além dos acessos contemplados no tour Visitante, o Sincorá  inclui a degustação de dois rótulos, um branco e um tinto, e é encerrada com a belíssima vista panorâmica da Serra do Sincorá, que dá nome ao tour e de onde também se avistam os vinhedos da UVVA. 

Experiência UVVA

Para visitantes que têm mais tempo disponível, a pedida é a Experiência UVVA. Com aproximadamente duas horas de duração, o tour inclui visita aos vinhedos e aos bastidores da vinícola, com acesso à área técnica das salas de tanque e cave, onde se pode conhecer mais de perto todo o processo de produção. 

O ponto alto fica por conta de um bate-papo com dicas de consumo e harmonização, que inclui a degustação de quatro rótulos, dois brancos e dois tintos.

Imersão UVVA

A Imersão Vindima acontece somente na época da colheita das uvas, geralmente no mês de julho, e é para quem quer mergulhar neste universo. O tour completo ocupa os dois turnos, com uma prazerosa maratona que incrementa a visita técnica, complementada por uma abordagem mais completa sobre vitivinicultura, com direito a participação na colheita e passagem pelas etapas iniciais da produção dos vinhos. 

São aproximadamente oito horas repletas de momentos especiais, como um almoço em meio aos vinhedos e a degustação de rótulos exclusivos na companhia do enólogo-chefe.

Agende seu tour e conheça a rota do vinho no Nordeste

Um passeio na Chapada Diamantina merece ser desfrutado em plenitude, e os tours da UVVA foram planejados para tornar essa experiência ainda mais especial de enoturismo na Bahia.

Então, a única regra por aqui é dedicar tempo para apreciar cada momento com uma taça de vinho, com os sentidos aguçados e sem pressa.

Os passeios acontecem de terça a domingo, a partir das 9 horas.

Clique aqui e garanta sua reserva!

 

Ver Todas