Quando degustamos um bom rótulo de vinho, é comum que a experiência sensorial roube a cena em meio a aromas, cores e sabores arrebatadores. Contudo, o que nem sempre lembramos é que há uma pessoa cujo papel é fundamental no processo de vitivinicultura, que transforma a uva em vinho. 

Essa missão cabe ao enólogo, que é quem toma decisões importantes desde a fase do plantio até a criação de blends

Neste artigo conheça mais sobre as funções do enólogo, a história por trás da profissão e como funciona a rotina desse profissional em uma vinícola. 

Qual é a função de um enólogo?

A função do enólogo em uma vinícola é trabalhar no processo de viticultura, desde o plantio das uvas até o engarrafamento do produto final. 

Para tanto, as responsabilidades abrangem diversas etapas, incluindo a escolha dos locais de cultivo das uvas, decisões sobre o período ideal para a colheita, controle dos processos químicos durante a fabricação da bebida, realização de pesquisa e desenvolvimento de produtos.

Importantes enólogos ao longo da história

A enologia já era praticada mundo afora muito antes de ser oficialmente reconhecida como profissão. Um passeio na história desde o século XVII nos ajuda a conhecer algumas figuras que tiveram papel essencial na construção da vitivinicultura no Brasil e no mundo. 

Conheça, a seguir, alguns famosos nomes:

  • Dom Pérignon (1638–1715): membro da Ordem Beneditina e responsável pelas adegas da abadia de Hautvillers, na região de Champagne. Embora não seja o inventor do champanhe, é reconhecido por desenvolver técnicas de vinificação que contribuíram para a produção de vinhos espumantes.
  • Baron Philippe de Rothschild (1902–1988): proprietário do Château Mouton Rothschild em Bordeaux, foi um visionário na indústria do vinho. Introduziu melhorias significativas nas técnicas de vinificação e também desempenhou um papel crucial na classificação dos vinhos de Bordeaux.
  • Emile Peynaud (1912–2004): enólogo francês conhecido como “o pai da enologia moderna”. Suas pesquisas e seus ensinamentos influenciaram muitos enólogos contemporâneos, enfatizando a importância do equilíbrio e da ciência na produção de vinhos de qualidade.
  • Zelma Long (nascida em 1944): enóloga estadunidense conhecida por sua expertise na produção de vinhos de alta qualidade. Trabalhou em vinícolas renomadas e foi a primeira mulher a se formar em enologia pela Universidade da Califórnia, em Davis.
  • Firmino Splendor: enólogo e professor nascido em Bento Gonçalves (RS), foi um dos primeiros a se dedicar aos estudos enológicos no Brasil, com participação ativa no aprimoramento dos processos de vinificação. É autor dos livros “60 anos da Escola de Viticultura e Enologia de Bento Gonçalves” e “A Epopeia da Uva Isabel no Rio Grande do Sul”.
  • Monica Rosseti: originária de Bento Gonçalves (RS), iniciou sua trajetória no mundo do vinho aos 17 anos, acumulando mais de duas décadas de carreira sólida como consultora. Monica é a mente por trás do método de viticultura e enologia de precisão conhecido como Anima Vitis e desempenha o papel de embaixadora do espumante brasileiro na Itália.

 O que é preciso para se tornar um enólogo?

Para se tornar profissional no segmento, geralmente é necessário percorrer um caminho educacional e adquirir experiência prática na indústria do vinho. 

Os passos dessa jornada incluem formação acadêmica em enologia, certificações de cursos especializados e associações oficiais e estágio em vinícolas ou instalações de produção de vinho, além de desenvolvimento de habilidades e conhecimentos sobre negócios.

O que se estuda no curso de enologia?

Os cursos de enologia abrangem uma variedade de disciplinas que preparam estudantes para se tornarem peritos em vinho, combinando conhecimentos científicos, técnicos e práticos. 

Algumas das principais áreas de estudo ao longo de um curso de enologia são:

  • Biologia aplicada à viticultura
  • Química geral e orgânica
  • Microbiologia enológica
  • Fisiologia da videira
  • Análise sensorial
  • Química e fertilidade do solo
  • Inovação tecnológica
  • Gestão ambiental
  • Enoturismo
  • Enogastronomia

Qual a diferença entre enólogo e sommelier?

Enólogo e sommelier são profissionais envolvidos na indústria do vinho, mas desempenham papéis distintos e têm responsabilidades diferentes. 

O enólogo é um especialista na produção, sendo responsável por todo o processo de vinificação, desde o cultivo das uvas até o engarrafamento do vinho. 

Já o sommelier é um especialista focado na experiência de consumo, assumindo a função de aconselhar as pessoas no momento da escolha do rótulo, a partir de orientações sobre degustação e harmonização da bebida.

Como é o trabalho de um enólogo na vinícola

O trabalho de um enólogo combina ciência, arte e gestão, exigindo uma compreensão profunda da viticultura, da química do vinho e de habilidades sensoriais, além de capacidade de liderança e inovação. É uma profissão que requer paixão pelo vinho e comprometimento com a excelência.

Sendo assim, a atuação do profissional em uma vinícola começa no vinhedo e só termina quando o vinho já está na garrafa. Cabe a esse profissional acompanhar todo o itinerário da matéria-prima até o produto final. 

Importância para a produção das uvas

O segredo do trabalho do enólogo começa no vinhedo, pois ele é responsável por prever tendências da produção da uva a partir do comportamento climático da região a cada ano. 

É preciso observar o desenvolvimento dos ciclos, levando em consideração as características do terroir e a adaptação das variedades do fruto ao solo para tomar decisões sobre o ponto de maturação e o momento ideal para a colheita. 

Papel na qualidade dos vinhos

Além do entendimento de como vai se desenhando cada nova safra, também cabe ao enólogo tomar decisões, como o período de maceração das uvas, o tipo de carvalho e período de estágio de vinhos tintos em barricas e o tempo de autólise de espumantes. 

Essas decisões direcionam o vinho para determinados caminhos e são decisivas para consolidar a qualidade final da bebida.

Marcelo Petroli: o enólogo-chefe por trás dos vinhos UVVA

Enólogo responsável pela UVVA, Marcelo Petroli traz no currículo mais de 20 anos de estudos, incluindo a formação em enologia e viticultura pelo Centro Tecnológico Federal de Bento Gonçalves, cidade do Rio Grande do Sul onde nasceu. 

Filho de descendentes de italianos produtores de uvas, ele está inserido na cultura do vinho desde pequeno e foi nesse universo que deu os primeiros passos como profissional.

História e experiência na vinícola

As primeiras experiências profissionais se deram na própria Serra Gaúcha e incluíram desde uma pequena vinícola até um dos maiores grupos produtores de vinhos do Brasil. Depois, a busca por novas experiências o levaram a São Paulo e, depois, à Bahia

O contato com a UVVA começou em 2014, quando a vinícola ainda era um campo experimental. Inicialmente convidado para prestar uma consultoria, Petroli acabou assumindo oficialmente o posto de enólogo-chefe.

Chefia de uma equipe de excelência

Na UVVA, Marcelo Petroli tem a missão de coordenar o trabalho de uma equipe de enologia que se divide em duas frentes, a área técnica e o enoturismo. 

Ambas são marcadas pela presença de pessoas com alta qualificação profissional, com perfil de busca permanente por conhecimento e inovação para manter o padrão de excelência dos produtos e serviços oferecidos pela vinícola.

“Chefiar essa equipe não é um desafio, eu diria que é uma satisfação”, avalia.

Profissionais da equipe de produção

Na equipe de produção, Marcelo Petroli trabalha diretamente com o também enólogo Antônio Mendes, especialista em vinificação, e com o tecnólogo em alimentos Felipe Araújo. O time ainda inclui Joyce Fagundes, responsável pelo laboratório, que conta também com o reforço de Maria Linhares.

Profissionais da equipe de turismo 

Além da produção de vinhos brasileiros de alta gama, a UVVA também foca em experiências de enoturismo em Mucugê, na Chapada Diamantina.

O setor conta com Daniele Nascimento, Erika Samantha, Ernani Vitor Pereli, Jirlane Muniz e Mikael Macêdo. Formado por pessoas com formação em enologia, este é o grupo responsável pelo contato mais direto com clientes que visitam as instalações da UVVA, conduzindo tours e atividades oferecidas ao público.

Conheça a UVVA e o potencial dos vinhos finos da Chapada Diamantina

Fazer um passeio enoturístico na Vinícola Uvva, em Mucugê, é mergulhar na rica tradição vitivinícola da Chapada Diamantina, com uma experiência imersiva que combina a degustação de vinhos excepcionais, a exploração de paisagens naturais estonteantes e a oportunidade de aprender sobre o meticuloso processo de vinificação. 

É um passeio que não só encanta os amantes do vinho, mas também aqueles interessados na cultura e na exuberante natureza da região.

Conheça os vinhos UVVA e viva uma experiência plena de atrativos na Bahia!

Clique aqui e reserve seu tour.

 

Ver Todas